Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inspiration Lab

Memória

Sopra-lhe os cabelos, o vento. Dá-lhe a vida novo alento, bafeja a sorte a sua dança, enche-se de esperança. E o sol, que dela durante tanto tempo se escondeu, finalmente sorri. E ela olha. Mais do que olhar, ela vê. Ela sente. E ela não mente ao dizer que é feliz quando olha o mundo que habita, quando sorri, só por sorrir, quando sorri, só por viver. Quando sorri porque o momento que, neste momento, pelos seus dedos passa não pode cair no esquecimento. E ama. Ama-se. Ama o ar que respira. Ama o sol, mesmo quando este para si não brilha. Ama o chão que estala sob o seu passo dançante. Da vida ama todo o instante. Ama o sonho que é só seu. Ama a vida que escolheu.
E receia. Acima de tudo, receia. Receia perder-se na escuridão. Receia deixar de se reconhecer. Receia que os seus olhos percam o seu tão intenso brilhar. Receia não se recordar de como o sol brilha, os pássaros cantam, o vento por ela passa, sem se esquecer de os seus cabelos acariciar.

O que somos nós neste mundo se quando, nem por um segundo, de quem somos nos conseguimos lembrar? Quem somos nós nesta corrida se, por muito que enérgicos à partida, nos esquecermos de onde desejamos chegar?

Quem é ela se não for ela? Quem é ela se for a menina que dentro dela, deixando entregue ao mundo a sua dor, tardando a ir, se for? Quem é ela se, um dia, atingida por cruel magia, desistir de para o mundo rir? Quem é ela se deixar de ser quem nasceu para ser? Quem é ela, se de si se perder? Quem é ela, se se esquecer?
Esquecer. É o que mais teme quem, como ela, fez sua a sua história. Perder. É tudo o que há para perder. Esquecer. É o que mais receia quem, como ela, já viu o quão cruel a vida é para aqueles que são obrigados a dizer adeus à sua memória.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D