Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inspiration Lab

Sem ti

Ver-te partir não me matou. Infelizmente. Melhor seria se a falta do teu olhar no meu tivesse tido esse efeito em mim. Mas não teve. Sempre pensei que não aguentaria ver-te ir embora sem nada poder fazer para que continuasses junto a mim. Sempre pensei que iria contigo, quando fosses para onde tinhas de ir. Sempre me assustou, o desconhecido. Sempre me aterrorizou, a escuridão. Mas, contigo, seria capaz de enfrentar os meus maiores medos, pois, contigo, sou quem sempre ardentemente desejei ser. E, contigo, saltaria para as trevas sem receios, apenas por segurar a tua mão.
Ausentaste-te da vida. Ausentaste-te de mim. Mas eu continuo aqui. E vida não me falta. E o sentimento abunda. E a dor destrói-me, sem nunca me matar. Falta-me a vontade de sentir. Quando penso que tudo o que sou está já completamente consumido pelo sofrimento, lembro-me do que sentia ao olhar o teu olhar, e as míseras ruínas que ainda representam quem sou dão de si, uma vez mais. Não sou mais do que um poço de desgosto. Não sou mais do que alguém assombrado pelas reminiscências de tempos de bonança que jamais voltarão. Não sou ninguém porque perdi quem me dava razões para ser alguém. Não sou ninguém porque te perdi. Não sou ninguém sem ti.

2 comentários

Comentar post

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D