Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inspiration Lab

Protejamo-nos.

Sacrificarmo-nos pelos outros é um gesto nobre, altruísta e honrado. E esse tipo de ação nem me faria tanto pensar como tem feito se não fosse o facto de cada vez mais ser banalizada. É que cada vez mais sacrificamo-nos por pessoas que não valem a pena. Cada vez mais pomos mais e mais pessoas à nossa frente, e esquecemo-nos de algumas coisas bem relevantes.
É que todas as relações, do amor ao ódio, estão na iminência do declínio. Pode ser um pouco assustador se levarmos este pensamento ao extremo, mas é um facto que as nossas relações com qualquer pessoa estão por um fio. O que, no entanto, distingue umas relações de outras, é que o fio que une algumas é quase inquebrável: por mais golpes que leve, parece nunca quebrar. Já outros dão de si com o mínimo abalo.
No entanto, nenhum fio pode ser considerado invencível. Todos se podem quebrar, por muito que seja bem complicado derrotar alguns deles.
E quando digo que nenhum desses fios é invencível, incluo também o que suporta a nossa relação connosco mesmos. Ou seja, também ela é quebrável, por muito que dificilmente.
Sei que pode parecer um pouco egoísta, mas por vezes é necessário pormo-nos primeiro. Porque o que acontece quando colocamos toda e qualquer pessoa à nossa frente e nos esquecemos de nós mesmos, das nossas prioridades, dos nossos desejos e das nossas ambições é que começamos a diferir pequenos golpes no fio que mantém a nossa relação connosco mesmos. E esses golpes ficam mais profundos. Maiores. Destroem-nos, pedaço a pedaço, até já nada mais restar.
Uma coisa é sabermos desenlaçar os fios. Entender por quais realmente vale a pena lutar. E lutar por essas pessoas, se efetivamente são merecedoras dos nossos esforços. Se também elas conseguem colocar-nos como uma prioridade nas suas vidas. E sermos altruístas com esses 'alguéns'. Mas sacrificarmo-nos por quem não o merece? Dar um lugar prioritário a alguém que nem tempo connosco é capaz de dispensar? Isso mata-nos. Destrói-nos.
Pois uma das melhores e maiores lições que aprendi na vida é que não há nenhuma relação mais duradoura e permanente do que a que temos connosco mesmos. Então não vamos arriscá-la por quem não vale a pena. Não vamos pô-la em risco por quem não merece.
Porque quando quebramos a relação que temos connosco mesmos, nós quebramos. E nada dói mais do que entender que já não conseguimos compreender-nos. Amar-nos. Nada dói mais do que ver a nossa pessoa a cair em declínio e sentirmo-nos impotentes. Quando quebramos a relação que temos com o nosso próprio ser, o nosso mundo quebra. E não é fácil reconstruí-lo.
Vamos então proteger-nos. E não arriscar parte de nós por quem não vale a pena.

2 comentários

Comentar post

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D