Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inspiration Lab

Musicalidade: Cansar e Crescer

Como já devem ter reparado, tenho andado muito numa vibe de escrever mais livremente sobre assuntos que me fazem pensar, e por isso achei interessante criar uma "rúbrica" aqui no blog em que me inspiro numa música e a partir dela desenvolvo um texto, redigindo-o a partir da perspetiva de quem canta a música ou a partir de outra que ache interessante. Este, mais a jeito de experiência, foi inspirado em "Dear John", da Taylor Swift. Espero que gostem!

Quando somos novos, é o perigo que nos atrai. O diferente. O rebelde. O errado. Aquilo de que todos nos dizem para nos afastarmos. Porque ao ignorar as sábias palavras da experiência, também nos sentimos perigosos. Diferentes. Rebeldes. Encantadoramente errados.
Não fazemos ideia do que estamos a fazer, mas como é contra os conselhos de quem realmente sabe, parece-nos o melhor. Porque o que sabem essas pessoas que já viveram tanto mais, que já passaram exatamente pelas mesmas experiências? Absolutamente nada, é óbvio.
Mas um dia caímos na realidade e cansamo-nos. O tempo em que todos os segundos que tínhamos eram dedicados a pessoas que viviam para nos complicar a vida parecem distantes e insignificantes. Deixarmos que o nosso dia luminoso fosse transformado numa tempestade por alguém que afinal nem significava assim tanto não parece o género de coisa que faríamos. Cansamo-nos de viver num exaustivo jogo cujas regras são mudadas constantemente, sem qualquer aviso prévio. Cansamo-nos de conhecer várias versões da mesma pessoa, umas das quais gostamos, outras das quais queremos fugir. Cansamo-nos de viver num otimismo cego. Cansamo-nos de receber sentimentos de quem mais tarde regressará para os reaver. Cansamo-nos de fazer parte de jogos maliciosamente planeados para que o perdedor seja sempre o mesmo. Cansamo-nos de viver dependentes da aprovação de alguém que nunca vamos conseguir impressionar. Cansamo-nos de chorar por quem em nós já nem pensa.
E quando nos cansamos entendemos a ingenuidade da diversão encenada em que vivíamos. E quando nos cansamos entendemos que vivemos tanto tempo naquela versão estranha de nós mesmos que nos tornámos um pouco nela. E quando nos cansamos, choramos porque entendemos que afinal quem mais nos queria bem sempre esteve certo. E quando nos cansamos, sabemos que o melhor é não olhar para trás. E quando nos cansamos, perdemos quem pensávamos que éramos e encontramos alguém que nunca quisemos ser. E quando nos cansamos, ganhamos, porque nos livramos de todos os que nos faziam perder. E quando nos cansamos, morremos, mas ganhamos forças que nos ajudam a renascer. E quando nos cansamos, descobrimos a verdadeira essência de viver. E quando nos cansamos, vemos o mundo como ele é e não como devia ser.
Porque quando nos cansamos, crescemos. E quando crescemos, amamo-nos.

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D