Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inspiration Lab

mentira

Diz no meu livro de História que, antigamente, os comboios se moviam a carvão. Os comboios costumavam ser muito importantes. As pessoas, com os seus chapéus altos, casacos compridos e vida a preto e branco pareciam sempre muito entusiasmadas, acenando para o fotógrafo ao entrar na carruagem. Eu nunca andei de comboio. Não tenham pena de mim. Eu gostava de experimentar uma vida a preto e branco. Gostava de sentir a alegria de receber uma carta, de ir aparar o bigode à barbearia. A minha vida está cheia de cores berrantes. São lindas, mas são demais. Porque quereria eu andar de comboio, se temos o carro, o avião, o foguetão, se daqui a uns anos talvez seja possível o teletransporte?
Nos filmes antigos, toda a gente fuma. Até as crianças, às vezes! E fumam em todo o lado, sempre. Antes as pessoas acreditavam que os cigarros eram milagrosos. Que curavam um monte de doenças. E fumavam. Hoje sabemos que não é, de todo assim. E ainda há quem fume. Mas esses sabem o que estão a fazer a si próprios de cada vez que levam o cigarro à boca. Então e antes? E quando as pessoas não faziam ideia dos malefícios do tabaco? Era essa ignorância salvaguarda contra infeções e cancro?
Suponho que o mundo seja movido a mentiras. Que a vida se mova a mentiras. E com o fim deste combustível não teremos de nos preocupar. Quando somos muito novos, muito ingénuos, ou ambos, ficamos surpreendidos com elas. Apanham-nos despercebidos. Mas depois entendemos que nos rodeiam, que estão em todo o lado. A mentira deixa de ser novidade. Torna-se apenas num meio de transporte, em algo que utilizamos para atingir um certo fim, para chegar a um dado ponto.
Dizem que o que não sabemos não nos pode magoar. Acredito que isso seja apenas uma desculpa que os omissores encontram, uma desculpa que lhes permite fechar os olhos à noite sem que lhes dancem à frente todas as coisas que deviam ter dito a quem nada disseram.
Então qual é a diferença? Onde é que se traça a linha? Entre a amizade e a desavença, entre a inquietude e a paz, que é tudo menos minha? Como é que distinguimos a mentira que leva o mundo para a frente e a que o desprestigia, tornando-o para muito pior diferente? Existirá distinção entre mentir por ódio, mentir por pena, mentir por amor?
Move para a frente o mundo o político, que nos grita pelos microfones, que nos faz promessas sem sentido, só para que não desistamos de trabalhar para lhe encher os bolsos? Move para a frente o mundo o médico, que diz ao seu paciente que melhora, só para que não perca a esperança de lutar por uma vida que de si foge? Move para a frente o mundo a mulher, que diz que não chegou a tempo ao jantar porque tinha muito que trabalhar?
Talvez todos nós puxemos para trás o mundo, tomando a mentira como hábito, fingindo-nos ludibriados por ela, como se não a soubéssemos de cor. Porque, no final do dia, todos sabemos que o político é corrupto, que o médico já desistiu de salvar aquela vida e que a mulher anda envolvida com o seu superior.

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D