Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inspiration Lab

luminosidade natalícia

O bacalhau está na mesa, cortesia do inigualável talento para a cozinha da Dona Teresa. Já lhe sinto o cheiro. A sentar-me sou o primeiro. Incapaz de esperar, sou o primeiro a atacar a doçaria. Esperaria, se não estivesse tudo incrivelmente apetitoso. "João, não sejas tão guloso, ainda ficas doente, controla-te se logo à noite queres mais do que um saco de carvão."
Jogávamos, ríamos, cantávamos em frente à lareira. Nunca muito diferente, mas cada noite parecia a primeira. Tentávamos por tudo não adormecer. O Diogo não tardava a ceder. Dançava-lhe no rosto o fogo. A noite avançava, e em devaneios sobre o conteúdo do maior embrulho, do mais colorido deixava-me perder. Anseios de miúdo, sempre divertido, sempre em direção à próxima aventura a correr. Sinto o coração amolecer perante a tão intensa ternura desse menino que perdi ao crescer. Ao som da décima segunda badalada, despertava a criançada, tudo se aprontava para o mágico dar e receber. O que era já nem interessava, quem dera rapidamente iríamos esquecer. Íamos para a cama tarde demais, cansados mas sem qualquer dúvida na nossa sonhadora mente de que aquele fora o melhor dos Natais.
Nunca pensei um dia estar aqui, a dedicar toda a minha vontade, toda a minha energia desejando que esta outrora mágica noite rapidamente se desvaneça. Nunca refleti sobre o quanto quem somos viaja, sobre o quanto se afasta de onde começa. Mas a vida tem os seus termos e parece gostar de nos fazer abdicar do melhor que nós temos, se é concretizar os intensos sonhos que continuamos a cultivar que mais queremos. A vida obrigou-me a escolher e eu escolhi. Das minhas opções nunca me arrependi, mas há invernos para todos os verões. Estou então, por escolha própria, condenado a, em vez de estar ao seu lado, vê-lo todo entusiasmado, mostrando as novas aquisições através de um ecrã luminoso. Nunca um Natal foi tão doloroso.

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D