Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inspiration Lab

Limites da vida

Não quero vida meio vivida. Não quero felicidade meia feliz. Não quero sorrisos meio genuínos. Não quero gargalhadas meio forçadas. Não quero meios. Não quero tristeza meia triste. Não quero desgostos meio sentidos. Não quero sofrimento meio sofrido. Quero tudo. Tudo de bom, mas também tudo de mau. Tudo, sem exceção, que esta vida tem para oferecer. Pois acredito que sem termos provado o mal, não saboreamos convenientemente o bem. Sem termos sofrido, não damos o devido valor à felicidade. Sem termos falhado, não damos verdadeira importância ao sucesso.
No jogo da vida, não quero livro de instruções. Não que ache que sei o que fazer, ou para onde ir. Será que há alguém que saiba? Não é que queira ficar pelo ponto de partida, pois por todas as paragens quero viajar, todas as aragens quero sentir. Mas a vida é uma aventura, e as verdadeiras aventuras vivem-se integralmente. As verdadeiras aventuras são demandas realizadas sem guia, sem bússola. As verdadeiras aventuras são vividas em constante descoberta, são repletas de novidade e surpresa. Sei bem o que quero e, ao longo do meu caminho, vou descobrindo como chegar onde quero.
Não receio tentar. Não receio falhar. Pois os que não falham, não tentam. E os que não tentam não provam o que melhor nesta vida há. Não receio cair, pois sei que me consigo levantar. Os que não caem, não caminham. E os que não caminham não exploram. Os que não exploram, não vivem.
A vida é um risco. A vida é um mistério, uma incógnita. A vida é linda e só aqueles que não a receiam descobrem realmente o quão linda ela é. Pois a vida é reservada, e não mostra a sua beleza a quem dela passa a vida a fugir. A vida é deliciosa e não a quero apenas provar. Quero saboreá-la, quero temperá-la, quero cozinhá-la a meu gosto. Quero que a vida me leve aos meus limites, mas quero também conhecer os limites da vida.
Confio na vida. Confio em mim. Confio que, passo a passo, desenharei o meu caminho em direção à versão melhorada de quem sou. A alguém mais calejado, mais sarado, mais feliz. A alguém tão novo, tão inocente. A alguém tão sábio, tão incrivelmente experiente.

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D