Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inspiration Lab

Considera-te perdoada.

Esperei e desesperei pelas poucas palavras que necessitava de ouvir para poder prosseguir. Para poder finalmente colocar um ponto final onde vírgulas continuavam a aparecer. Não queria lágrimas. Não queria os teus joelhos a meus pés. Não queria sacrifícios. Não queria discursos emocionados. Nunca quis. Tudo o que sempre de ti desejei foi um simples reconhecimento pelos teus erros. Tudo o que sempre de ti quis foi um pedido de desculpas. Um simples mas sincero pedido de desculpas pelo qual até hoje aguardei.
Por vezes pergunto-me se, afinal, não foi apenas um pesadelo. Ou se foi tudo fruto da minha imaginação. E talvez até acreditaria nisso se já não sentisse as quentes lágrimas que tantas vezes derramei. Lágrimas já envelhecidas, mas que exprimiram sofrimento que ainda continua recente. E talvez até nisso acreditaria se as memórias não fossem intensas e realistas demais para serem inventadas.
Mas a verdade é que a vida ensinou-me que há pessoas das quais nem o mínimo podemos esperar. Há pessoas que continuamente nos surpreenderão com as suas deploráveis atitudes. A vida ensinou-me que não podemos ajudar alguém a tornar-se uma pessoa melhor se ela nem sequer entender que errou. Correção, se ela nem sequer aceitar que errou. A vida ensinou-me que, por vezes, temos que aceitar desculpas que nunca ninguém proferiu nem pretende proferir. Não porque queremos que essas pessoas tenham uma segunda oportunidade. Não porque acreditamos que o mal que fizeram passou da validade. Mas por nós. Porque nós merecemos mais do que uma vida à espera de algo que merecemos mas que nunca irá chegar. Porque somos mais do que a opinião de um irrelevante e triste ser sobre nós. Porque merecemos paz.
E é por isso, então, que hoje termino um capítulo que há muito tentava editar, sem a qualquer conclusão chegar. E é por isso que hoje concluo que a obra de arte que é a nossa vida pode ser maravilhosa sem que todos os seus capítulos o sejam. E é por isso que hoje decido esquecer-me das pessoas tóxicas que me rodeiam e concentrar-me em todos os excelentes capítulos da minha história que ainda posso escrever, com a ajuda das pessoas certas. Porquê desperdiçar oportunidades de escrever algo fantástico continuando presa num capítulo que já não posso alterar?
Espero, então, que também tu tenhas promissores capítulos pela frente. E espero que essas más partes da tua história que te recusas a assumir tenham contribuído para te tornar melhor escritora. E que ninguém te tente privar da tua felicidade como tu tão afincadamente tentaste privar-me da minha. E que nunca ninguém te faça sofrer como me fizeste a mim. E que tenhas uma boa vida, bem longe de mim.
Considera-te perdoada por tudo o que aparentemente nunca fizeste.

3 comentários

Comentar post

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D