Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Inspiration Lab

Almas

Quantas foram as vezes em que a minha alma vagueou solitária entre dezenas de outras almas, nenhuma me acompanhando? Quantas foram as vezes em que dei por mim sozinha, rodeada de gente comigo conversando?

Quantas foram as vezes em que a minha alma se enchia com o calor da presença de outros quando sozinha me encontrava? Quantas foram as vezes em que me apercebi que mesmo sozinha, não era sozinha que lutava?

Porque, por vezes, a nossa alma não necessita de companhia para estar muito bem acompanhada. Porque, por vezes, a solidão assola-nos, mesmo que nos encontremos numa sala apinhada.

Porque quando a nossa alma deseja companhia, pode ser nela própria que companhia acaba por encontrar. Porque a nossa alma raramente encontra refúgio nos corações mais fáceis de alcançar.

Porque nem sempre é fácil para a nossa alma encontrar a alma que a completa que tanto procura. Porque a nossa alma só se interliga verdadeiramente com uma alma com alma, criando um laço que perdura.

Pintemos o nosso futuro com as cores da alegria

Sou incapaz de compreender a nossa fixação com o passado. É nele que nos fixamos, tanto para o melhor como para o pior. Aparentamos ter uma incapacidade incontrolável de prosseguir com a nossa vida, não conseguindo deixar os erros do passado nos tempos aos quais pertencem. Parecemos também ser incapazes de aceitar que o melhor ainda pode estar para vir. Porque apesar de passarmos a vida a torturar-nos com as falhas cometidas nos tempos que já lá vão, simultaneamente acreditamos que nunca seremos tão felizes como um dia fomos.
Parecemos encarar a vida como se fosse um livro já escrito, e tomamos como dado adquirido que este nos reserva sempre o pior para o próximo capítulo. Parecemos não entender que a vida é uma tela completamente em branco, e que nos cabe a nós preenchê-la com a obra da nossa vida, pintando-a com as cores da alegria, do sucesso, da realização pessoal, do amor.
Porque o melhor dia da nossa vida é o amanhã. Aquele que ainda não vivemos, que é ainda uma autêntica incógnita, um mistério para nós. Porque, nesse dia, nada é certo, nada é garantido. Nesse dia, todos os nossos sonhos são concretizáveis e os objetivos alcançáveis. É o dia em que somos mais livres do que nunca, o dia em que nada nos impede de mudar o rumo da nossa vida, o dia em que podemos ser os heróis na nossa história.
Então porque não tentamos? Porque tomamos o nosso futuro como fracasso garantido? Porque nos deixamos cegar pelas nossas incertezas e inseguranças? Quando iremos entender que são essas ideias pessimistas pré-concebidas que, sim, destroem as nossas perspetivas de futuro? Que nos afastam do sucesso, que nos colocam mais longe dos nossos objetivos, que nos cortam as pernas? O insucesso pode surgir por tantas razões tão diferentes, muitas delas que não podemos controlar. Então porque aumentamos as possibilidades de as coisas correrem mal, tornando-nos nos nossos próprios obstáculos?
Sejamos, então, melhores para nós próprios. Não tomemos a desgraça como garantida. Porque quando olhamos para a vida com o olhar da esperança, ela ganha outra cor. Quando acreditamos com todas as forças do nosso ser em todas as coisas maravilhosas por nós realizáveis no dia de amanhã, ficamos mais próximos de as realizar. Porque o otimismo relativamente aos dias que ainda estão para vir não é um pensamento ocasional. É uma maneira de encarar a vida. E de a viver melhor. E quando vivemos melhor, não é só a nossa vida que melhora. As dos que nos rodeiam também melhoram. E muito.

Viver cada dia como se fosse só mais um

Viver cada dia como se fosse o primeiro. Com a inesgotável energia que nos impulsiona a enfrentar os nossos medos e a superar as barreiras por nós e pelos outros impostas. Com vontade de reforçar os laços entre as pessoas. De tornar o mundo num lugar mais quente, melhor. De fazer as nossas boas energias alcançar os quatro cantos desta nossa grande casa. Com vontade de aproveitar. Com vontade de sorrir. Com vontade de amar. Com vontade de viver.
Viver cada dia como se fosse o último. Com as aprendizagens que obtivemos. Com os conhecimentos que adquirimos. Com as experiências que ganhámos. Com os sonhos concretizados. Com as cicatrizes curadas. Com as memórias armazenadas. Com emoções mil dentro de nós guardadas.
Mas afinal que é isto, de viver cada dia como se fosse o primeiro ou o último? Isso é coisa que não devia existir. Isso é coisa de quem não vive corretamente. Porque se os nossos dias forem aproveitados ao seu máximo, não há necessidade de mudar ou de sequer repensar a forma como os vivemos. Porque os vivemos bem. Porque se aproveitarmos todas as oportunidades que nos forem dadas para crescermos, se usarmos todos os meios que temos à nossa disposição para melhorar a nossa vida e a dos outros não há qualquer necessidade de recear arrependimentos. Porque a chave para a felicidade não é viver os nossos dias de uma específica maneira. É simplesmente aproveitá-los. E se com todas as certezas soubermos que fazemos o máximo de cada dia que nos é dado, então a nossa alma está em paz. Feliz. Completa.
Vivamos, então, cada dia como se fosse só mais um. Mas só mais um de uma vida bem aproveitada, desde o primeiro segundo até ao último suspiro.

Ter-vos comigo

É bom ter gente comigo que é mais do que apenas gente.
É bom ter gente que me ajuda a crescer.
É bom ter gente que me incentiva a ser eu própria, tornando-me numa melhor versão de mim mesma a cada dia que passa.
É bom ter gente a quem não receio mostrar as características da minha essência que poucos conhecem.
É bom ter gente com quem posso rir até já mais não aguentar.
É bom ter gente que me limpa as lágrimas, que me encoraja a reerguer e voltar a lutar.
É bom ter gente com quem armazeno memórias para mais tarde recordar.
É bom ter gente que viva intensamente.
É bom ter gente que torna cada dia nesta vida uma memorável aventura.
É bom ter gente que não desiste de mim.
É bom ter gente que me faz sonhar.
É bom ter gente que cativa, gente que trabalha, gente que olha nos olhos os desafios da vida.
É bom ter gente que se supera que encoraja os outros a se superar.
É bom ter-vos comigo.

Contracapa: Miúda Online

 Como gosto imenso da autora, queria ler este livro desde o momento em que foi lançado, mas só agora é que tive a oportunidade de o fazer. Fui inicialmente atraída por este livro devido a quem o escreveu, mas apaixonei-me por ele desde a primeira página, independentemente das mãos de quem aquelas palavras saíam.

 

Ler Mais )

 

Por favor, não saias

Não te prendas a mim. Não te agarres às minhas loucuras. Não deixes que as minhas inseguranças te contagiem. Não fiques comigo só para que eu não fique sozinha. Não esqueças os teus sonhos para que possas ajudar-me a concretizar os meus. Não vivas para mim. Não abras mão da tua vida.
Vai. Vive. Parte à aventura. Sê feliz. Viaja. Abre as tuas asas e voa mais alto. Supera-te. Espanta-te. Comete erros, aprende com eles. Cresce.
Não quero que esta minha incerta forma de viver te impeça de voar. Não quero estar entre ti e os teus sonhos. Não quero ser um obstáculo no teu caminho até aos teus objetivos, até à tua felicidade. A porta está aberta. Sai. Não porque não te queira aqui, comigo, mas porque mereces mais do que uma alma danificada. Mereces mais do que alguém que ainda não compreende quem é. Mereces mais do que alguém que não merece mais. Merece mais do que eu.
A porta está aberta. Podes sair. Sair é a decisão acertada. Sair é a decisão segura. Sair é decisão dolorosa. Por favor, não saias.

Just Saying #2

Estava para aqui a ler um livro do Nilton e acho que concluí definitivamente que não me identifico com a escrita dele quando me deparei com a seguinte frase: "Eu que nasci em Angola lanço esta dúvida: Cada vez que alguém diz que deu um tiro no escuro, morre ou não um africano?".

É que isto não é humor nem é nada.

Au até que gosto do que ele diz, agora o que ele escreve...

Deixa-me descobrir-te.

Abre o teu coração. Abre o teu coração para que os teus sonhos possam fluir de dentro de ti. Para que eu os possa ver. E os possa concretizar. Porque é impossível fazer-te feliz se não souber qual a tua noção de felicidade.
Os teus olhos pouco dizem. As tuas escassas palavras ainda menos. És um código indecifrável. Um livro fechado a cadeado. Um livro que tanto desejo ler.
Esse teu mistério, essa tua estranha forma de viver atrai muitos. Atrai muitos mas muitos afasta também, depois de algum tempo. Porque não são muitos os que estão dispostos a decifrar os teus complexos códigos. A decifrar-te. A grande maioria desiste a meio. Alguns até antes de começarem. Mas eu não. Não é que ache que esta é uma batalha fácil de travar, pois não o é. Não é que ache que não vou ter vontade de desistir, porque sei que vou. Mas não o farei. Porque há algo em mim mais forte. Uma vontade de não desistir. Uma vontade de descobrir o que tão bem escondes atrás de todas essas máscaras com que te proteges. Uma vontade de te ensinar que não tens de te esconder. Que não tens de esconder essa bela essência que acredito existir bem profundamente dentro de ti.
Não receies. Só porque alguém em tempos magoou esse belo ser que és, não quer dizer que toda a pessoa a quem te mostrares te fará o mesmo. Eu não o farei. Sei que a vida é difícil, é traiçoeira. Sei que há pessoas difíceis, que são traiçoeiras. Mas nem todas o são. Peço-te então que confies. É verdade que, confiando, aumentas as tuas possibilidades de sofreres, mas aumentas brutalmente também as tuas possibilidades de seres feliz.
Deixa-me, então, ler-te. Deixa-me descobrir essa pessoa que está por de trás do olhares impassíveis, das palavras ocas. Deixa-me descobrir quem está por de trás de toda essa segurança fingida. Deixa-me ver o ser frágil mas maravilhoso que acredito que és. Deixa-me descobrir-te.

Pág. 1/2

Luísa

"No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade." - José Saramago

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D